Acessibilidade
Contraste
Aumentar Fonte
Diminuir Fonte
Limpar Configurações

Trabalho foi realizado pela equipe do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas). Transpiloto realizou o transporte do grupo de forma gratuita

Cb image default
Divulgação

No começo da semana, uma vulnerável comunidade de ciganos ficou alojada aos fundos do Camelódromo, vindos do Sul de MS. Ao tomar conhecimento da presença deste grupo formado por cerca de 15 pessoas, a Secretaria Municipal de Assistência Social fez uma abordagem com a finalidade de dar apoio aos visitantes.

Através da equipe técnica do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), foram submetidos a triagem e ao levantamento do histórico da pequena comunidade, tendo acesso a serviços de prevenção à saúde.

“Verificamos que a cidade de origem deles era Assis, estado de São Paulo, e que estavam dispostos a retornar. O governo municipal deu toda assistência ao grupo, inclusive, orientações com relação a prevenção a Covid-19 e, recomendamos que o melhor abrigo, neste momento, é voltar para sua terra natal”, informou a secretária Julliana Ortega.

Gilberto Garcia, ressaltou a preocupação da administração municipal em dar total assistência à população de rua e, em específico, a este grupo de ciganos desprotegido. “Eles ficam nas ruas, sem proteção, sem máscaras, sem materiais de higienização e sujeitos ao contágio da doença. Não temos como acolher na Casa do Migrante porque está lotada. Então, a melhor solução foi encaminhá-los a cidade de origem. Lá estarão mais próximos de parentes, amigos e pessoas que podem ajuda-los”, declarou o prefeito.

Após diálogo e consentimento das pessoas, a Prefeitura com o apoio da empresa Transpiloto transportou gratuitamente os visitantes até essa cidade.