Acessibilidade
Contraste
Aumentar Fonte
Diminuir Fonte
Limpar Configurações
Cb image default
Divulgação

A crescente presença de migrantes internacionais no município de Nova Andradina levou o governo municipal a instituir o Comitê Municipal para Refugiados, Migrantes e Apátridas, órgão de deliberação coletiva assistido pela Secretaria Municipal de Cidadania e Assistência Social.

O Comitê tem por objetivo promover estratégias de atendimento e defesa de direitos, ampliando as ações já desenvolvidas pelas secretarias do município, frente à demanda dos refugiados e imigrantes, que já vêm acontecendo por meio de ações integradas entre as Secretarias de Educação, Saúde e Assistência Social.

Cb image default
Divulgação

Para a secretária Julliana Ortega, a criação deste órgão representa um avanço importante, pois esses imigrantes e refugiados que chegam, muitas vezes de maneira ilegal, encontram diversas dificuldades principalmente em relação ao idioma, problemas sociais e financeiros, o que os deixam à beira da marginalização. Por isso, é importante unir esforços para atender a demanda existente.

“Nosso trabalho é acolhê-los e ajudá-los a regularizar sua estadia aqui para que possam ser assistidos pelo poder público municipal, ou seja, ter acesso à alimentação, saúde, educação, benefícios socioassistenciais, trabalho, bem como, acesso à documentação, em articulação com órgãos da Polícia Federal. Isso significa oferecer uma vida mais digna a essas pessoas”, ressaltou a gestora, que representou o prefeito Gilberto Garcia nesta solenidade. 

Cb image default
Divulgação

A importância da implantação do Comitê foi destacada pelo diretor da Escola Municipal João de Lima Paes, Augusto Teixeira, em apresentação sobre a experiência de inserir haitianos entre os alunos matriculados nessa unidade escolar.

“Através de um projeto acadêmico desenvolvido com outros colegas professores, ensinamos a língua portuguesa como língua de acolhimento, com a finalidade de dar oportunidade de se comunicarem e se fazerem entender. Hoje, a comunidade haitiana se tornou importante dentro do contexto cultural do município e nas relações da escola”, avalia o professor.

Para Augusto Teixeira, o comitê vai possibilitar a organização de estudos da legislação, garantias de direitos e ações específicas aos imigrantes estrangeiros. “Até agora, não temos meios de orientar, direcionar e estabelecer critérios de inclusão dessas pessoas na sociedade. O comitê tem essa finalidade. É um passo importante dado pelo governo municipal, graças a sensibilidade do prefeito Gilberto Garcia e da secretária Julliana”, encerrou. 

A cerimônia foi prestigiada pelo presidente da Câmara, Leandro Fedossi, vereador Alemão da Semente, secretários municipais, além de representantes de escolas, servidores do CREAS, CRAS, Conselho da Mulher, Casa do Migrante, Centro de Idiomas e Tecnologia, Centro de Juventude, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, OAB, Universidades, Organizações não governamentais (Casa do Migrante, Lar Altetnativo São José, Projeto Vida Plena-Betel e Lar Sagrado Coração de Jesus).