Acessibilidade
Contraste
Aumentar Fonte
Diminuir Fonte
Limpar Configurações

Ministrada pela conselheira estadual da OAB-MS, a advogada Etiene Cintia Chagas, a palestra foi destinada às servidoras de diversos setores da administração

Cb image default
João Cláudio 

Uma relação difícil, um conflito persistente entre colegas de trabalho ou entre chefia e subordinado, humilhações frequentes e até mesmo brincadeiras excessivas de mau gosto podem revelar situações de assédio moral e sexual no ambiente de trabalho.

Para falar sobre este assunto, a Secretaria Municipal de Políticas Públicas para a Mulher convidou a advogada Etiene Cintia Chagas, que é conselheira estadual da OAB-MS, para ministrar uma palestra às servidoras municipais de diversos setores da administração.

Cb image default
João Cláudio

A iniciativa aconteceu na manhã desta terça-feira, dia 14, no auditório do Paço Municipal de Nova Andradina. O prefeito Gilberto Garcia, a primeira dama e vereadora Joana Darc Bono Garcia, a secretária interina de políticas públicas da mulher, Julliana Ortega, subsecretária da Semcias, Sonia Rodrigues Amaral, entre outros secretários municipais participaram da solenidade de abertura do evento.

Cb image default
João Cláudio

Para o prefeito, o tema deve ser tratado com cuidado e seriedade. O mais importante é que tanto entre os colegas quanto nas relações entre chefias e subordinados, seja construído um ambiente de trabalho saudável, baseado no respeito entre as pessoas, onde não haja espaço para condutas inadequadas e abusivas. “Com respeito, cordialidade é diálogo é possível conquistar a boa relação no trabalho. Entretanto, se o assédio acontecer, Nova Andradina conta com uma Delegacia da Mulher e uma rede de assistência integrada. Na Prefeitura, a servidora tem a ouvidoria para denunciar”, sugere Gilberto Garcia.

Cb image default
João Cláudio

O foco da palestra que integra as comemorações de Maio, Mês da Mulher Trabalhadora, foi orientar e esclarecer questões relativas ao assédio moral como forma de prevenção a esse fenômeno que tem atingido muitos trabalhadores (as) inclusive no serviço público dos municípios.

Além de detalhar as leis vigentes no Brasil sobre a temática, a palestrante apresentou exemplos de condutas abusivas em que o trabalhador é isolado do grupo, hostilizado e ridicularizado, entre outras atitudes, que podem ser anotadas e testemunhos reunidos, como prova do assédio. Ressaltou ainda a importância de buscar proteção jurídica e não se calar diante dessa situação.