Acessibilidade
Contraste
Aumentar Fonte
Diminuir Fonte
Limpar Configurações

Com a finalidade de conscientizar homens que respondem a processo judicial de violência doméstica, projeto é desenvolvido semanalmente em Nova Andradina

Cb image default
Divulgação

Uma reunião entre representes da Prefeitura e do poder judiciário de Nova Andradina marcou a retomada das ações do projeto “Homens em Movimento” no ano de 2020, desenvolvidas com um grupo de autores de violência doméstica para a reflexão e responsabilização pelos atos praticados.

O encontro, realizado na sede do Fórum, contou com a presença da secretária executiva de Políticas Públicas da Mulher, Julliana Ortega, subsecretária Ana Kelly Clemente, juiz da comarca de Nova Andradina e colaborador da Coordenadoria da Mulher, Walter Arthur Alge Netto.

Como executores desta ação no município, também participaram Marcílio Caetano (educador social) e Seiny Batista (psicóloga), além da gerente de proteção social especial, Fabiana dos Santos, que é responsável pelo suporte e articulação da rede socioassistencial de atendimento à mulher.

De acordo com a secretária Julliana Ortega, a reunião de trabalho definiu protocolos de atendimento que serão adotados para aprimorar as ações da rede socioassistencial e reduzir as estatísticas de violência doméstica ou familiar.

“A proposta da criação deste grupo formado por até 12 homens, todos encaminhados através de determinação judicial, é quebrar o ciclo de violência logo no início. Os encontros acontecem semanalmente com a abordagem de temas que envolvem tipos de violência, valores e direitos humanos, dependência química, micromachismo, entre outros”, explica a gestora responsável pela coordenação geral da ação no âmbito do governo municipal.

Para o juiz Walter Arthur Alge Netto, só é possível reverter o quadro de violência se houver uma mudança cultural e o tema for tratado no ambiente familiar e dentro das salas de aula.

“O tema está sendo tratado nas páginas policiais, mas o debate tem que começar dentro de casa. Quando o assunto chega no Judiciário é porque já houve o conflito e a agressão. Então, é preciso levar o tema para discussão nas escolas, estar presente na conversa entre pais e filhos, aprimorar sempre as políticas públicas e a forma de atuação da rede de enfrentamento à violência doméstica e familiar”, avalia.

Pioneirismo de Nova Andradina

Inspirada no projeto “Dialogando Igualdades” do TJ/MS, Nova Andradina é primeira cidade do interior de MS a adotar ações voltadas aos autores de violência doméstica.

Executada pela Secretaria Executiva de Políticas Públicas da Mulher de Nova Andradina, a iniciativa tem a cooperação do Tribunal de Justiça, o qual foi responsável pela capacitação dos profissionais envolvidos, liderado na comarca local pelo magistrado Walter Arthur Alge Netto.