Acessibilidade
Contraste
Aumentar Fonte
Diminuir Fonte
Limpar Configurações
Cb image default
Divulgação

De cada 10 estudantes que chegam ao final do Ensino Fundamental, em escolas públicas, em média oito não sabem adequadamente o português e sete têm dificuldades básicas de matemática.

Ou seja, eles saem do ciclo básico com deficiências em leitura, compreensão de textos e resolução de problemas matemáticos. Isso é o que revelou recentes pesquisas divulgadas pelos grandes veículos de comunicação de nível nacional*.

Para mudar essa realidade, a Prefeitura de Nova Andradina está inovando no ensino através de uma nova ferramenta que ajuda o aluno a aprender a matemática de maneira leve e mais atrativa, envolvendo jogos on-line (games), avatares, medalhas, tudo na linguagem do aluno. Trata-se da plataforma Khan Academy, uma nova alternativa totalmente gratuita para o aprendizado da matemática que foi adotada no ano passado nas escolas da rede municipal.

Após o primeiro ano de implantação, a formadora da Sincroniza Educação, que é uma empresa de consultoria de tecnologia, representante da Khan Academy no Brasil, Gabrielle De Felice, veio de São Paulo para o município sem nenhum custo para o governo municipal com o intuito de acompanhar o desenvolvimento dos estudantes e dar continuidade a formação dos professores, que trabalham com este método em sala de aula.

Após visitação em duas unidades escolares – Profª Efantina de Quadros e Luiz Claudio Josué, Gabrielle apresentou a Khan Academy como o maior site para aprender matemática do mundo com mais de 63 milhões de usuários no mundo, sendo 3 milhões do Brasil, distribuídas em 25 instituições em rede. Nova Andradina é uma dessas 25 redes contempladas no país.

“A proposta é democratizar o aprendizado da matemática com o acesso à plataforma, levando para a escola pública a mesma qualidade do ensino de diversos lugares do mundo, como por exemplo, os EUA, onde filhos do Bill Gates e outros tantos estudantes utilizam esta mesma plataforma adaptativa de exercícios gameficados. declara.

Para a formadora que dá o suporte técnico e logístico para a Semec, o grande diferencial da Khan Academy é que os alunos aprendem brincando, de uma forma significativa e contextualizada. “Um dos pilares da plataforma é a aprendizagem para o domínio, de modo a utilizarem depois, na vida”, frisou Gabrielle.

Ao analisar a receptividade desta ferramenta pelos professores e alunos de Nova Andradina, ela disse que se surpreendeu com o engajamento de todos os profissionais envolvidos. “Antes mesmo da minha chegada tive a oportunidade de ver vários relatos de sucesso dos docentes em que conseguem recomendar as atividades de forma diferenciada para cada aluno, contemplar metade da sala com um exercício e a outra metade com outro, recebem relatórios atualizados do que eles fizeram e o que estão tendo dificuldades. Estamos fazendo um acompanhamento constante e percebo que Nova Andradina tem um diferencial: os docentes são muito interessados e fazem acontecer”, elogia.

A meta é que os professores tenham pleno domínio da plataforma até o final do mês de dezembro, para que este trabalho seja feito de forma autônoma pelo aluno, e a Khan Academy atenda outras redes.

O secretário Fábio Zanata e o prefeito Gilberto Garcia agradeceram a presença da representante da Khan Academy, pois contribuiu sobremaneira para a formação das crianças nova-andradinenses. “Para os nossos alunos apreenderem o conteúdo é necessário que eles tenham vontade de estar na escola, de buscar o conhecimento. Essa ferramenta tecnológica vem tornar esse conteúdo mais interessante, mais palpável a realidade dos nossos alunos e a Khan Academy está proporcionando isso. Nova Andradina só tem a agradecer essa parceria”, encerra o prefeito.

Sobre a Khan Academy

A plataforma oferece exercícios, vídeos de instrução e um painel de aprendizado personalizado, que habilita o estudante a aprender no seu próprio ritmo dentro e fora da sala de aula, usando tecnologias adaptativas que identificam os pontos fortes e lacunas no aprendizado.

Pesquisa

* Dados do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, na sigla em inglês), teste aplicado em dezembro de 2016 em 72 países e divulgado nesta terça-feira, 6, pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).