Acessibilidade
Contraste
Aumentar Fonte
Diminuir Fonte
Limpar Configurações

Proposta da visita à “Casa do Idoso Solitário” é estudar os erros e acertos deste projeto desenvolvido em Rio Brilhante

Cb image default
Divulgação

Prestes a inaugurar o “Condomínio do Idoso”, a Agehnova e a Secretaria de Cidadania e Assistência Social (Semcias) começam a elaborar as regras para o funcionamento, administração dos espaços e convivência entre os moradores, usuários ou aqueles que de uma forma ou de outra vão usar o condomínio.

Como o projeto de moradia voltado à terceira idade está sendo implantado pela primeira vez em Nova Andradina, o prefeito Gilberto Garcia sugeriu às gestoras desses setores irem em busca de outras cidades que já desenvolvem iniciativas semelhantes para verificar como funciona, na prática, essa experiência de oferecer moradia digna para pessoas com mais de 60 anos.

E assim, nesta quarta-feira (31), a diretora Márcia Lobo e a secretária Julliana Caetano Ortega estiveram em Rio Brilhante, para conhecer a “Casa do Idoso Solitário”, que abriga cerca de 35 moradores em quitinetes, sendo administrado pela Prefeitura deste município. 

Cb image default
Divulgação

A proposta da visita é estudar os erros e acertos deste projeto para definir o modelo de gestão para o Condomínio do Idoso.

No local, elas foram recebidas pela primeira dama Iraci Montanha da Silva e pela a secretária de assistência social, Sandra Caroline Eckstein Cottica, que explicaram detalhes sobre o regimento interno da moradia, responsabilidade da família do residente, administração do espaço, serviços prestados pela prefeitura, entre outras informações.

Julliana Ortega conta que conheceu uma moradora, que há 25 anos mora num dessas quitinetes. “Ela chegou há quando tinha 60 anos. Hoje tem 85. Me contou sobre como é a sua rotina, a convivência com os demais colegas, o cuidado que recebem do governo municipal. Isso mostra que a ideia do nosso Condomínio do Idoso é muito promissora”, destaca.

Para a diretora da Agehnova, Marcia Lobo, o que mais chama atenção neste projeto é o amparo aos idosos. “Nos demais projetos habitacionais, a porcentagem de residências destinadas aos idosos é de apenas 5%. Muitos ganham uma aposentadoria que nem permite sejam beneficiados com uma casa popular. Então, a preocupação do prefeito com a terceira idade tem fundamento. Elas terão o direito não apenas de sobreviver, mas de viver plenamente”, reconhece, agradecendo a todos pela receptividade.